Prémios

O Prémio Agostinho Roseta, instituído pelo Despacho n.º 19529/2000 de 11 de Setembro, e o Prémio Manuel Lopes instituído pelo Despacho nº 25260/2001 de 11 de Dezembro, ambos do Ministério da Solidariedade e do Trabalho, têm natureza simbólica a fim de homenagear as duas personalidades que se distinguiram, na dedicação do seu trabalho e das suas vidas, a contribuir para a melhoria e dignificação do trabalho, e das condições em que é prestado.

Ambos os Prémios possuem natureza e âmbito similar, embora com períodos de receção de candidaturas diferentes. As candidaturas aos atuais prémios serão apresentadas de forma alternada, ou rotativa em relação a outros prémios que eventualmente venham a ser instituídos, de modo a que, em cada ano, apenas haja a edição do Prémio respeitante ao homenageado desse ano.

O Prémio Agostinho Roseta tem natureza simbólica, constituindo essencialmente um testemunho de apreço e uma forma pública e solene de homenagear as pessoas singulares e coletivas que, em cada ano, mais se tenham distinguido na implementação e difusão de boas práticas em domínios relevantes para a melhoria e dignificação do trabalho, e das condições em que é prestado, e para o incremento do diálogo social, ou na realização de estudos e trabalhos de investigação sobre estas matérias.

Os Prémios de mérito que o Regulamento do Prémio contempla, foram atribuídos nesta 8ª edição, por deliberação do Júri, presidido pelo Dr. Eduardo Graça, na categoria Estudos e Trabalhos de Investigação, o Prémio foi atribuído, ex aequo, ao estudo do Instituto Superior de Engenharia do Porto designado Influência da Responsabilidade Social das Organizações para o seu sucesso sustentável, e ao de Paula Margarida Dos Santos Ferreira Vicente designado Inovação e gestão da Mudança em Meio Prisional;

O Júri deliberou, também por unanimidade, em atribuir uma Menção Honrosa nesta categoria ao estudo de Hernâni Artur Veloso Neto, designado Construção Social do Risco e da Segurança no Trabalho em Contexto Organizacional.

O próximo período de receção de candidaturas ao Prémio Agostinho Roseta decorrerá entre 1 de Dezembro de 2016 e 15 de Janeiro de 2017.

Formulário Candidatura - Boas Práticas

Formulário Candidatura - Estudos

O Prémio Manuel Lopes tem natureza simbólica, constituindo essencialmente um testemunho de apreço e uma forma pública e solene de homenagear as pessoas singulares e coletivas que, em cada ano, mais se tenham distinguido na implementação e difusão de boas práticas em domínios relevantes para a melhoria e inovação da contratação coletiva, nomeadamente em matérias como a dignificação do trabalho, e das condições em que é prestado, ou na realização de estudos e trabalhos de investigação sobre estas matérias.

Os Prémios de mérito que o Regulamento do Prémio contempla, foram atribuídos nesta 7ª edição, por deliberação do Júri, presidido pelo Professor Elísio Estanque, na categoria Estudos e Trabalhos de Investigação, o Prémio foi atribuído, ex aequo, ao estudo da CGTP-IN designado Conhecer para Intervir na Indústria e ao da FESETE designado Contributos para a negociação coletiva para a melhoria das dimensões emprego e igualdade nas ITVC.

O Júri deliberou, também por unanimidade, em atribuir uma Menção Honrosa nesta categoria ao estudo de Hermes Augusto Tadeu Moreira da Costa e Paula Maria Ricardo dos Reis Costa, designado Informação e consulta de trabalhadores nas multinacionais: Análise do Impacto dos conselhos de empresa europeus em Portugal nos sectores metalúrgico, químico e financeiro.

O próximo período de receção de candidaturas ao Prémio Manuel Lopes decorrerá entre 15 de Maio e 30 de Junho de 2018.

Formulário Candidatura - Boas Práticas

Formulário Candidatura - Estudos